Jairo de Glória propõe indústria de beneficiamento no Sertão

Preocupado com o futuro do que é produzido no Sertão sergipano, o deputado estadual Jairo de Glória (PRB), como presidente da Comissão de Agricultura e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa, aproveitou a presença do secretário de Estado da Agricultura, Esmeraldo Leal, que foi à AL fazer uma exposição sobre o projeto Dom Távora, para requerer do governo do Estado a implantação de uma indústria de beneficiamento na região.

O primeiro a puxar a discussão foi o também deputado Zezinho Guimarães (PMDB). “Vejo aqui um projeto de bovinocultura e isso muito me preocupa. Se não estiver bem alicerçado, eu não consigo entender este projeto. Já vi vários governos neste Estado com financiamentos para caprinos e bovinos e não ficou nada! Daqui a pouco não fica nem o berro!”, brincou o peemedebista, alertando que o governo tem que olhar a questão da sustentabilidade de alguns programas, defendendo que “os recursos de empréstimos devem ser aplicados em coisas efetivamente produtivas e que deem sustentação”.

Outro parlamentar que também abordou para o secretário, a questão dos bovinos e caprinos, foi o Capitão Samuel (PSL). “Sergipe já teve dinheiro demais para investimentos de caprinos e bovinos. Dava para comprar carneiros e cabras que não teríamos mais espaços neste Estado”.

Por sua vez, o deputado Jairo de Glória disse que desde menino percebeu os governos falando em investimentos no setor e que a fêmea ficava e o macho era vendido para aumentar a produção. “Hoje não vejo nada relacionado aqueles projetos antigos! Talvez seja uma questão de vontade política ou de prioridade. Temos o Sertão como a maior região produtora de leite. Também temos a maior produção de suinocultura. Infelizmente não sabemos aproveitar a potencialidade do Sertão!”.

Em seguida, Jairo de Glória sugeriu que o secretário de Agricultura aproveitasse a vinda da equipe do FIDA (Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola), em julho, para implantar uma indústria de beneficiamento no Sertão. “Por mais que se fiscalize, vai chegar o tempo em que o cidadão vai ter que vender aquele carneiro para saciar a fome ou para pagar o supermercado. Aí o projeto vai de água a baixo!”.

Por fim o deputado defendeu que o governo olhe para as cooperativas que estão inativas por falta de incentivo. “Não podemos perder esses recursos. A indústria de beneficiamento para criar caprinos e bovinos é uma alternativa. No caso do leite no Sertão, por exemplo, o programa do leite que foi um sucesso no princípio, em Sergipe não funciona mais. A cadeia do leite sobrevive apenas graças ao desprendimento de pessoas que acreditaram no potencial da região. É preciso dar continuidade com projetos para viabilizar toda a cadeia produtiva”.

Por Agência Alese de Notícias
Foto: Jadílson Simões

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA